Página Inicial

Notícias


21/10/2021 18:28:51 Preservação dos recursos hídricos e do solo e mudanças climáticas são destaque no CBA

Terceiro dia do 32º Congresso Brasileiro de Agronomia, no CentroSul, em Florianópolis, contou ainda com a participação de Edilene Steinwandter, presidente da Epagri, que acaba de entrar para a lista das “100 Mulheres Poderosas do Agro” da Revista Forbes. Evento termina nesta sexta (22)

A crise hídrica que paira sobre o País e as possibilidades de captação e reuso de água também foram temas das discussões do 32º Congresso Brasileiro de Agronomia (CBA), assim como a conservação do solo e as mudanças climáticas e agrobiodiversidade, as inovações para a agronomia do futuro, o mercado de trabalho e o empreendedorismo no setor.

Neste terceiro dia de evento, que ocorre no CentroSul, em Florianópolis, um dos destaques foi o painel apresentado pelo engenheiro agrônomo Ramon Flávio Gomes Rodrigues, que relatou experiências em mananciais e represas de água no Nordeste para maior aproveitamento na captação e reuso da água.

Catarinense de Concórdia, o engenheiro agrônomo Lauro Bassi atuou mais de 21 anos como extensionista da Epagri e atualmente trabalha no setor privado, com passagens pela Guatemala, Nicarágua, El Salvador, Guiné e atividades na África e na Índia. Atualmente, desenvolve um projeto de preservação de mananciais em Rezende, no Rio de Janeiro, que abrange outros três estados.

Ele ressalta que o maior desafio na atualidade é conciliar o conhecimento científico e acadêmico à vida do pequeno produtor do campo. “Entre derrubar uma árvore ou a mata ciliar e a alimentação da sua família, o agricultor vai sempre optar pelo sustento dos seus. Precisamos mudar este entendimento para que consigamos preservar a água e o solo para as gerações futuras”, esclarece o engenheiro agrônomo.

Finalizando o painel, em tom de brincadeira, ele adverte: “Precisamos preservar os mananciais e os recursos hídricos para a continuidade da vida humana na Terra, pois eu acredito em ETs, mas já sei que não há vida em Marte”.

Mulher poderosa do Agro

Eleita pela Revista Forbes Brasil uma das "100 Mulheres Poderosas do Agro", Edilene Steinwandter, presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri/SC), palestrou na 32º edição do Congresso Brasileiro de Agronomia. Falou no painel sobre os “Instrumentos para produção sustentável: ATER, defesa agropecuária, pesquisa, cooperativismo e políticas públicas”. Também aproveitou para falar sobre ter sido uma das escolhidas pela publicação conhecida mundialmente por ser uma das mulheres fortes da agronomia do País. “É uma honra estar nessa lista, mas nada disso seria possível sem o empenho dos meus colegas, que, com dedicação, exercem seus papeis”, ressalta.

A lista da Forbes Brasil destaca o trabalho de mulheres na produção de alimentos, pesquisa, empresas, foodtechs, consultorias, instituições financeiras, política, entidades, grupo e influenciadoras digitais. Nascida em Treze Tílias e filha de agricultores, Edilene foi a primeira mulher a assumir a presidência da Epagri/SC, em fevereiro de 2021, indicada pelos próprios colegas de trabalho. Ela é mestre em zootecnia e especialista em produção de ruminantes, e atua na instituição desde 2002, quando foi concursada como extensionista.

Hortas urbanas

No painel “Sistemas Sustentáveis de Produção Agropecuária”, o engenheiro agrônomo Luiz Damaso Gusi, atualmente secretário de Agricultura e Abastecimento de Curitiba falou sobre a criação das hortas urbanas, projeto do qual foi um dos protagonistas e que ajudou a ressignificar muitos espaços da capital paranaense. Destacou que as hortas urbanas – mais de 100 até agora – estão crescendo cada vez mais na cidade e que são "grandes salas de aula para uma mudança" que visa trazer a produção de alimentos para os centros urbanos.

Para ele, despertar a questão da agricultura é uma forma de trabalhar diversas outras formas de experimentações. "A comunidade começa a cuidar da horta, que pode ter diversos tamanhos. Depois começa a cuidar de todo o entorno. O município começa a gastar menos, promove mais qualidade de vida e oportunidades. As comunidades estão se apoderando cada vez mais destes espaços", acrescentou. Até 2024, a expectativa é de que a capital paranaense tenha três fazendas urbanas.

Divulgação de livros

Pela primeira vez nas 32 edições, o Congresso Brasileiro de Agronomia abriu espaço para autores divulgarem seus livros inéditos ou não. Entre as publicações, o lançamento “Realizações de um Engenheiro Agrônomo Bancário”, de Clóvis Wehmuth Fontes, de Santa Catarina. Na publicação, ele descreve seu trabalho junto ao Banco do Brasil, onde atuou como Assessor Técnico Rural na SUPER-SC, quando teve a oportunidade de percorrer 280 das 295 cidades catarinenses. “Foi um privilégio lançar o meu livro, que tem tantas memórias do cotidiano na agronomia do Estado, no maior evento do segmento do Brasil. Por causa dele, esta obra agora será conhecida e reconhecida em todas as 27 unidades da Federação”, ressalta o autor.

Nascido em Erechim, no Rio Grande do Sul, o engenheiro agrônomo Carlos Pieta Filho, com mestrado nos Estados Unidos e doutorado na Inglaterra, divulgou o seu “Engenheiros Agrônomos do Brasil – Sua Entidade Nacional (1927 - 2017)”, que conta a trajetória da Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeab) desde a  fundação, em 11 de agosto de 1927, e das ações compiladas e desenvolvidas pelo autor-pesquisador nos anos em que esteve na ativa – e depois que se aposentou também – na agronomia do País e no Exterior.  Atualmente, aos 78 anos, é o autor é considerado a memória viva das entidades da categoria em âmbito nacional e internacional.

Último dia de evento

O quarto e último dia de evento, nesta sexta-feira (22), vai tratar de assistência técnica e políticas públicas e crédito e seguro rural. Em seguida, será apresentada e discutida a Carta de Florianópolis com as recomendações da plenária final e oficializada a realização da 33ª edição do Congresso Brasileiro de Agronomia em Pelotas (RS), em 2023. A programação desta sexta-feira começa às 9 horas.

Evento presencial com transmissão online

                Maior evento da agronomia do País, o Congresso Brasileiro de Agronomia (CBA) teve de adaptar a 32ª edição às mudanças impostas pela Covid-19. Seguindo todos os protocolos de segurança, o evento tem participação presencial de inscritos e transmissão online. No total, são mil pessoas participando – 700 presencialmente, entre staffs, congressistas, painelistas e expositores, e 300 acessando o evento de todas as 27 unidades federativas.

Sobre o Congresso Brasileiro de Agronomia

O 32º Congresso Brasileiro de Agronomia começou na terça-feira (19) e termina nesta sexta-feira (22), no CentroSul, em Florianópolis. Tem como tema central os “Desafios profissionais no mundo em transformação”, e tratará de assuntos relacionados à política profissional e a aspectos que afetam todo o setor produtivo e a segurança alimentar da população.

O CBA é organizado pela Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeab) em parceria com a Federação dos Engenheiros Agrônomos de Santa Catarina (Feagro-SC).

 

Fotos: Paulo Schmidt, divulgação